ff

Ibiruba.Net - blog@ibiruba.net
sábado, 9 de março de 2013
Asfalto gaúcho - rabeira do atraso

Inoperância pública custa R$ 20 bilhões ao Estado
Falta de continuidade de obras e planejamento de longo prazo explicam por que o RS tem o pior índice de pavimentação do país

Gaúcho gosta de ser diferenciado, para melhor. O problema é que, em se tratando de rodovias, está na rabeira do atraso. Veja uma comparação com São Paulo: em 10 anos, as estradas paulistas duplicadas avançaram 1,6 mil quilômetros e hoje equivalem a 13% do total da malha pavimentada. No Rio Grande do Sul, o crescimento foi pífio. No mesmo período, as duplicações no Estado somaram apenas 146,9 quilômetros. Nem um décimo do ritmo de São Paulo, conforme a comparação dos dados dos departamentos que cuidam das rodovias nos dois Estados. Com isso, apenas 3,5% das estradas asfaltadas em que os gaúchos circulam são duplicadas.
 
Certo, São Paulo é o Estado mais rico do país. Então que tal comparar com os vizinhos paranaenses, com economia e população parecidas? O Rio Grande do Sul continua perdendo feio. A malha pavimentada do Paraná é de 20,3 mil quilômetros, enquanto no Estado, conforme números do Daer, soma 13,1 mil quilômetros. A extensão duplicada paranaense abrange 973 quilômetros, o dobro da nossa. Com baixos investimentos nas últimas três décadas, os gaúchos tiveram apenas 714 quilômetros pavimentados de 2002 até o ano passado. Um crescimento tímido de 5,7%. Enquanto isso, a frota de automóveis avançou 74% e a de caminhões, 44%.
 
E qual o custo dessa inoperância? Em termos de Rio Grande do Sul, a cada ano um pedaço maior de suas riquezas se perde em rodovias. Cálculo da consultoria Intelog indica que, em 2011, o custo logístico gaúcho foi equivalente a 18,89% do PIB, uma das maiores taxas do país e bem acima do nível países desenvolvidos, entre 6% e 8%. Como dois terços desse custo é rodoviário, as estradas esburacadas, engarrafadas e sem asfalto impuseram, apenas em 2011, perdas de quase R$ 20 bilhões à economia gaúcha. Seria dinheiro suficiente para construir mais de 20 estradas como a Rodovia do Parque, a mais importante em andamento no Rio Grande do Sul.
 
— O Estado tem uma malha muito pobre. Se olharmos para o mapa do Paraná, parece uma teia.
 
Isto só aumenta os custos logísticos do Estado — alerta Paulo Menzel, da Intelog Logística e coordenador do Fórum Temático de Infraestrutura da Agenda 2020.
 
Enquanto no Rio Grande do Sul 95 cidades não tem acesso asfáltico — um quinto do total de municípios —, no Paraná o número cai para seis.
 
Um dos fatores que explica a carência das rodovias é a descontinuidade administrativa e a falta de um planejamento de Estado, e não de governo, imune a mudanças no comando do Palácio Piratini. Nas últimas décadas, os partidos que chegam ao governo têm trocado a cada quatro anos e, na alternância de gestão, projetos são paralisados. Esquadrinhando os dados do Dnit e dos departamentos estaduais responsáveis pelas estradas, é possível detectar a baixa capilaridade das rodovias pavimentadas. Enquanto o Rio Grande do Sul tem apenas 699 quilômetros de estradas municipais asfaltadas, o Paraná tem 6,3 mil quilômetros e São Paulo, 11 mil quilômetros.
 
Em relação à qualidade das estradas, uma das explicações pode ser encontrada no tipo de gestão. No Estado, apenas 3,6% das rodovias públicas — e gratuitas — são avaliadas como ótimas. Na malha concessionada, apesar da polêmica sobre os pedágios, o índice sobe para 25%. Da mesma forma, um número bem maior de estradas administradas por órgãos estaduais e federais é classificada como ruim em comparação à malha gerida pelo capital privado. Como o governo gaúcho não vai renovar as concessões que findam em 2013, fica a dúvida sobre como evoluirá a qualidade da malha devolvida à gestão pública, normalmente engessada pela burocracia e nem sempre com recursos em caixa para investir.
 
Verba ideal só é vista em ano de eleições
 
Das 20 melhores rodovias do país, aponta pesquisa da Confederação Nacional do Transporte (CNT), 19 são de São Paulo. Todas concedidas. O acompanhamento da entidade convida a uma reflexão sobre as concessões de rodovias, tema espinhoso no Rio Grande do Sul, apesar de o governo federal, alinhado ideologicamente com o Piratini, ter lançado mão da alternativa para viabilizar a construção e a duplicação de estradas, em troca do direito de explorar a via. A escolha das concessionárias será de acordo com o menor preço de pedágio oferecido.
 
A realidade é que, concedidas ou não, as rodovias brasileiras — e não apenas as gaúchas — carecem e muito de investimento. São apenas 12,9% de pavimentação no país e 7,2% no Estado, segundo dados do Dnit, o que provoca indignação de especialistas como o professor Luiz Afonso dos Santos Senna, do Departamento de Engenharia de Produção e Transportes da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFGRS).
 
— Isso é uma piada. Quantas décadas de investimentos serão necessários para chegar a ter um percentual de rodovias pavimentadas equivalente ao da Argentina, de 26%? E isso que a Argentina não é nenhum modelo — compara ele, lembrando que outros países do grupo dos Brics, como Rússia e Índia, têm taxas superiores a 80% e 40% de pavimento, respectivamente.
 
O Sindicato da Indústria de Construção de Estradas, Pavimentação e Obras de Terraplenagem em Geral no Rio Grande do Sul (Sicepot) calcula que o nível ideal de investimentos para os gaúchos recuperarem o atraso seria de R$ 2 bilhões por ano, divididos entre Estado e União, algo que se aproximou de ocorrer apenas em 2010.
 
— Em 10 anos, seriam aplicado R$ 20 bilhões em novas rodovias, manutenção, duplicações e melhorias, baixando o custo do transporte ao nível de países desenvolvidos — analisa o presidente do Sicepot, Nelson Sperb Neto.
 
Fonte Zero Hora

Postado por WM Internet as 18:00 e tem 0 comentarios

Posts mais recentes Posts mais antigos

 
Google
 

 

Últimos Posts

Reserve o nome de sua empresa na internet
IFRS Ibirubá conquista 3º lugar na Copa Rio Info d...
Palestra em Ibirubá sobre manejo de resistência de...
Ibirubá Florestal - Geladeira eficiente consome me...
Precisando de um lar quentinho
Vestibular de inverno em Ciência da Computação
Skate na praça
Ibirubenses premiados na Nota Fiscal Gaúcha
Aviso de falecimento - Kátia Margarete Guimarães
Sorteio da Nota Fiscal Gaúcha tem ganhadores de Ib...

Arquivos

Julho 2012 Agosto 2012 Setembro 2012 Outubro 2012 Dezembro 2012 Fevereiro 2013 Março 2013 Abril 2013 Maio 2013 Junho 2013 Julho 2013 Agosto 2013 Setembro 2013 Outubro 2013 Novembro 2013 Dezembro 2013 Janeiro 2014 Fevereiro 2014 Março 2014 Abril 2014 Maio 2014 Junho 2014 Julho 2014 Agosto 2014 Outubro 2014 Novembro 2014 Dezembro 2014 Janeiro 2015 Fevereiro 2015 Abril 2015 Maio 2015 Junho 2015 Setembro 2015 Outubro 2015

 

 

 

WM INTERNET